Postei foto para declarar meu amor e sair do armário, diz jornalista católico

Por Dani Braga

O mês da diversidade se despede nesta sexta (30), mas, para Jeferson Batista, 23, não existe esse prazo de validade. No Dia dos Namorados, o jornalista mostrou que aquele seria o primeiro de vários que pretende passar ao lado do geógrafo Luis Rabello, 29.

A data foi escolhida por Jeferson para postar a primeira foto com o namorado nas redes sociais. Ainda que a família já soubesse do relacionamento, foi neste dia que ele contou a todos que o seu namoro é como qualquer outro, muito embora ele tenha deixado clara a principal diferença: o medo da homofobia.

Jeferson e Luis em foto publicada no Facebook no Dia dos Namorados (Foto: Arquivo pessoal)

No post no Facebook, a foto acima veio acompanhada de um desabafo sobre como “o amor e a resistência” definem a relação dos dois:

Hoje é o primeiro Dia dos Namorados que eu e Luis passamos juntos, namorando. Luis é um menino e eu também. Tudo normal? Para mim, sim, para o Luis, também. Para as pessoas que nos amam de verdade, também, tudo certo. Mas, para muitas pessoas, nosso namoro é errado. Essas pessoas nos condenam e nos agridem, nos olham no shopping, na rua, na universidade ou nos encontros de família com reprovação. Às vezes, temos medo que essas pessoas usem da violência física para nos atingir. Tais pessoas causam sofrimento a mim, ao Luis e a milhões de LGBT pelo mundo, mas nós também somos pessoas e só queremos ser quem realmente somos, só queremos viver.

Nós, LGBT, não somos diferentes de ninguém. Meu caso e do Luis, por exemplo: estudamos, trabalhamos, choramos e rimos, fazemos compras e pagamos contas, viajamos e assistimos séries, sentimos frio e calor, dor de cabeça e fome (Luis sempre está com fome), fazemos voluntariado e vamos à missa (eu vou mais que o Luis), gostamos de postar foto no Facebook, como essa. Ah, gostamos de pessoas do mesmo sexo. Isso nos faz ser doentes ou pecadores?

(…) Sei que, a partir de agora, fora do armário, muita coisa boa vai acontecer, mas coisas ruins também podem acontecer. Eu tenho ao meu lado o amor do Luis, que não é diferente de qualquer outro amor, é verdadeiro e não precisa ficar escondido. Tenho minha família também, que me ama e me respeita, e tenho o amor de Deus, que abençoa o meu namoro, desde quando começou.
Obrigado, Luis, por me ajudar a ser quem eu sou de verdade. Enfim, precisava todo esse textão para postar uma foto com o namorado? Qualquer ato meu, do Luis e de qualquer LGBT é um ato de resistência! No Dias dos Namord@s e no mês do Orgulho LGBT, eu luto por namoros homoafetivos, por direitos para a comunidade LGBT, luto por inclusão na sociedade e na Igreja, luto pelo fim de toda e qualquer LGBTfobia.

Essa mesma fotografia foi enviada à Folha após o jornal convidar os leitores para mandarem fotos de como havia sido o Dia dos Namorados.

Ao blog Jeferson contou que o relacionamento começou despretensioso, com um “match”no Tinder no início de dezembro passado. À época, ele prestava mestrado na Unicamp no mesmo instituto onde Luis trabalhava. Os encontros se tornaram frequentes e o jornalista não precisou de muitos dias para pedir Luis em namoro.

No entanto, toda essa coragem para assumir rapidamente seu sentimento não se refletiu fora do convívio a dois.

“Durante muito tempo tive relacionamentos heterossexuais e, mesmo quando me descobri homoafetivo, não contei para minha família. Só fui contar quando já estava namorando o Luis. Não esperava, mas eles me apoiaram e mostram muito respeito por mim.

Venho de uma família muito religiosa. Fui criado na zona rural, cheguei a trabalhar na roça com meus pais e avós. Então, além de no começo ter que lidar com a questão de ser católico e LGBT, tinha o medo da reação da minha família, que sempre foi tradicional”.

Jeferson encara o post na rede social como a sua “saída do armário” e diz que está disposto a “enfrentar tudo o que for preciso para ser quem é de verdade”, inclusive as pessoas da igreja. Jeferson é católico e afirma que gosta de ser, tanto que o tema de seu mestrado é o movimento LGBT católico.

“Com minha pesquisa, acho que posso ajudar a combater preconceitos. E o mais importante: ser cristão e LGBT não é impossível”, opina.

A foto do Dia do Namorados não foi a única estreia dos apaixonados neste mês. Jeferson foi pela primeira vez à Parada LGBT, em São Paulo, e gostou da experiência.

Luis (esq.) e Jeferson durante a Parada LGBT 2017, em SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Ao que parece, o casal ainda terá muitas primeiras vezes. No horizonte, Jeferson vislumbra viagens, a compra de uma casa para os dois, um casamento e filhos.

A foto da primeira viagem já chegou por aqui. O clique foi feito em Paraty (RJ).

Jeferson e Luiz em Paraty, na primeira viagem juntos (Foto: Arquivo pessoal)

 

Já esperamos imagens das demais realizações!


Quer ver a sua história de amor no blog? Escreva para enfimsos.folha@gmail.com.